Comunicação
Bacia de Santos

Etapa 3

Com o objetivo de aumentar a produção de petróleo e gás natural no país, a Petrobras vem trabalhando no terceiro projeto de licenciamento ambiental, coordenado pelo Ibama, de um conjunto de empreendimentos. Conhecido como Etapa 3,o projeto consiste na instalação e operação de um conjunto de plataformas e gasodutos no pré‐sal da Bacia de Santos.

Em fase inicial de licenciamento, a companhia já solicitou a Licença Prévia ao órgão ambiental.

Vinte e três empreendimentos serão contemplados no projeto: 11 projetos de curta duração e 12 projetos de longa duração.

Em todos os empreendimentos do Projeto Etapa 3, serão utilizados navios‐plataformas do tipo FPSO (unidade flutuante de produção, armazenamento e transferência de petróleo).

Os projetos de curta duração têm como objetivo avaliar a capacidade de produção da área e fornecer informações importantes do reservatório de petróleo e gás, permitindo uma maior eficiência dos projetos de longa duração na região.

Dentre os projetos de curta duração, os TLDs e SPAs são atividades similares sob o ponto de vista ambiental, ambos duram cerca de seis meses, utilizam um único poço produtor e  promovem uma queima limitada de gás. Nos projetos de curta duração, somente o petróleo é escoado para o mercado.

De acordo com as regras da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), os testes recebem o nome de TLD quando são realizados antes da declaração de comercialidade da área que está sendo estudada (isso significa que a região descoberta e avaliada é economicamente atrativa).

Já quando o teste é realizado após a declaração de comercialidade, recebe o nome de SPA. O Piloto de Curta Duração será realizado durante um ano e também tem como objetivo obter informações sobre o reservatório e sua produtividade.

Também está sendo planejada a realização de um Piloto de Curta Duração, cujos trabalhos permanecerão por um ano. Esse empreendimento, terá apenas um poço produtor e um poço para a reinjeção do gás produzido. Já os projetos de Desenvolvimento da Produção e o Piloto de Longa Duração têm como objetivo produzir petróleo e gás natural, utilizando os conhecimentos adquiridos durante os testes. Cada um irá operar, em média, por 30 anos. O sistema de escoamento de gás dos DPs inclui a instalação de gasodutos, que se conectarão a outros já existentes ou em fase licenciamento.

A previsão é que tais empreendimentos permitam um crescimento superior a 500 mil barris por dia na produção de óleo e 16 milhões de metros cúbicos de gás natural.

O Estudo de Impacto Ambiental completo do Projeto Etapa 3 está disponível para consulta em versão digital na página do Ibama, que pode ser acessada no endereço http://licenciamento.ibama.gov.br/Petroleo

Para conhecer o Relatório de Impacto Ambiental (Rima), clique aqui.

Bases de apoio

Para o desenvolvimento das atividades do Projeto Etapa 3, serão utilizados pontos de apoio localizados na região costeira, tais como portos, aeroportos, centros administrativos, unidades de tratamento de gás e gasodutos de exportação.

As bases de apoio têm como função oferecer a logística para o fornecimento, transporte e armazenamento temporário de insumos e resíduos, bem como facilitar o embarque e desembarque dos trabalhadores dos FPSOs.

No Projeto Etapa 3, as principais bases de apoio marítimo e aéreo para a instalação e operação são:

Bases de apoio marítimas:
Área portuária do Rio de Janeiro ‐ RJ;
Área portuária de Niterói ‐ RJ.

Bases de apoio aéreas:
Aeroporto de Jacarepaguá - Rio de Janeiro ‐ RJ;
Aeroporto de Cabo Frio ‐ RJ;
Aeroporto de Itanhaém ‐ SP (uso esporádico).

Acompanhe nosso mapa interativo

Ver    agora